content long 12-December-2017 05:15:32

Winners Portugal

16-18 years old: The lakes of Titan

 Author: Diogo Vicente Mendes

A possibilidade de escolher um dos destinos das próximas observações da sonda Cassini é de uma responsabilidade deliciosamente assustadora mas, baseamo-nos em Júlio Verne que dizia que “a ciência compõe-se de erros que, por sua vez, são os passos até a verdade”, para justificar Titã como objetivo primordial. Mais concretamente, o Mare Ligeia, não só para consolidar os dados já obtidos pela sonda Huygens, que se desacoplou da Cassini e aterrou em Titã, obtendo imagens da sua superfície mas, também, manter-se uma linha orientadora de pesquisa: recolher o máximo de dados sobre um só aspeto, analisar, retirar as elações e, então, avançar-se para outro objetivo. Saber, o mais concretamente possível, como são constituídos os seus mares e lagos, pode ser fundamental para melhor conhecer esta lua gigante e, talvez, ajudar a compreender uma parte da dinâmica e funcionamento do planeta Saturno bem como permitir retirar dados que ajudem a esclarecer a formação de outros planetas e do nosso planeta Terra, em particular. Esta variedade e quantidade de superfície “liquida” só aguça a vontade de saber o que cada um alberga. Este conhecimento tem dado azo a inúmeras especulações, sobretudo pelo facto de na atmosfera de Titã ocorrerem fenómenos muito variados e, até ao momento, inexplicáveis e, com a aproximação do solstício de verão, o nível de atividade atmosférica no norte dessa lua tenderá a ser diferente, facto que só aumenta a curiosidade em saber quais as consequências que daí advirão. Tal como Steve Wall, que lidera a equipa do radar da Cassini, salientou ao referir que é “uma maravilhosa proeza da investigação que estejamos a fazer uma grande pesquisa oceanográfica noutro planeta, numa das luas do gigante de gás mais afastado da Terra”, também nós consideramos que faz todo o sentido continuar a descobrir as maravilhas que nesta lua estão escondidas, não só como forma de rentabilizar todo o investimento já realizado como, também, aproveitar a proximidade e obter o maior número de dados possíveis sobre os seus “líquidos”.


Last Update: 19 May 2017

For further information please contact: SciTech.editorial@esa.int

Related Articles

See Also